B R U T A L I S M O

Primavera/Verão 2019

“Uma nova sociedade esta a ser criada pelo edifício, uma personalidade fria e sem emoção, imune às pressões psicológicas, em edifícios altos, com necessidades de privacidade, que prosperava como uma espécie avançada de máquina na atmosfera neutra”.

J.G. Ballard, arranha-céus, 1975

O romance de Ballard pinta um quadro distópico sombrio – a arquitectura de uma única torre residencial torna-se a força motriz de mudanças misteriosas no comportamento dos inquilinos. Pode a presença de uma estrutura de arranha-céus realmente criar uma atmosfera tão ameaçadora e uma tensão social, culminando em assassinato, decadência, destruição e até mesmo anarquia?

A série “Uma Cidade Futura do Passado” baseia-se nessa visão mistificadora de uma distopia urbana radicalmente agressiva – um desígnio intransigente no dogma brutalista. Todos os edifícios e estruturas são homogéneos. As diferenciações de estilos e épocas arquitectónicas são eliminadas e substituídas por estruturas geométricas, repetição e materialidade absoluta. Gigantesco “Wohnmaschinen” englobado por infinitas redes de auto-estradas, abrindo caminho para a megacidade “super-brutalista”.

INSPIRAÇÃO

A exploração da fusão entre as formas orgânicas com os cortes geométricos, proporciona à colecção um toque diferenciado, que promove um aspecto cru, quase em bruto, que é limado com as texturas cruas e naturais dos materiais, mas que ainda assim eleva a sofisticação e a vertente arrojada da marca. A mistura de materiais e cor, as cores pastéis consolidadas com tons garridos torna ainda mais legível a ligação do tema com a colecção.